Menu

Bio

Mauro Marcondes nasceu em 1 de outubro de 1953, no Rio de Janeiro. Compositor e cantor criado em Copacabana na época da bossa-nova foi influenciado por este estilo e também por compositores de MPB que surgiam nos anos 60 e 70 – Tom Jobim, Edu Lobo, Caetano Veloso, Chico Buarque, Milton Nascimento, Ivan Lins, Dori Caymmi entre outros.

No apartamento da rua Raimundo Correia a música corria solta e o violão era o instrumento que ali reinava. Nesse clima, os primeiros acordes foram ensinados pelo velho amigo da família,Vicente Saboya, posteriormente aperfeiçoados por outro amigo, Luiz Roberto, baixista do conjunto de bossa-nova “Os Cariocas” e grande violonista.

As primeiras composições surgiram da parceria com o poeta e letrista Caito Spina. Nessa época foram feitas músicas que levaram a participações nos festivais estudantis que proliferavam naqueles anos de muita criatividade para a MPB. Em 1971, foi o compositor mais jovem a participar do IV Festival Universitário da Canção Popular, no qual também concorreram,Belchior, vencedor com “Hora do Almoço”, Alceu Valença e muitos outros. Nesse ano participou, também, do Festival de Costa a Costa, em Piriápolis, no Uruguai.
A música corria por um trilho e por outro seguia a construção de uma carreira profissional distinta, que o levou a formar-se em quimica pela UFRJ e pósgraduar-se em Economia, na UNICAMP.

Ainda em 1977 o trem da música prosseguia. Com arranjos e o apoio de Antonio Adolfo participou de um show para revelação de novos talentos, no teatro do MAM. Pelas mãos da produtora, Solange Böeke, começava a ver algumas de suas músicas gravadas por novas cantoras da MPB, entre elas Sandra de Sá (“Receio de Errar”) e Fhernanda Fernandes (“Palavras Perdidas”). Nessa fase teve a música “Como se fosse” classificada no Festival MPB-80 da TV Globo, que recebeu um belo arranjo da grande maestrina Celia Vaz.

Nos anos seguintes, a linha da vida puxou mais forte para o outro lado e a música, meio que adormecida, seguiu uma trajetória mais retraída, através das composições que brotavam de antigos e novos parceiros.

Em 2003 novamente Solange Böeke entra em cena e produz o primeiro CD autoral do cantor e compositor: “Perfil de Sal”. Gravado no Rio de Janeiro, com arranjos e direção musical de Wilson Nunes, no primeiro semestre daquele ano foi lançado na casa de shows “Rio Scenarium”.Logo depois a vida o leva para longe. Desembarca em Washington onde passa a viver e trabalhar, sempre com expectativa de voltar ao Brasil para gravar um novo CD.

Segue compondo com seu parceiro de sempre, Caito, e outros parceiros e amigos, como Guto Marques, Paulo César Feital, Éle Semog, Eliza Maciel, Marcia Toledo e Arnoldo Medeiros.Conhece, em Washington, o músico brasileiro Leonardo Lucini. No início de 2009, decide gravar o CD Mar Azul e convida Leonardo para fazer os arranjos e a direção musical. O CD fica pronto em dezembro de 2009.

Depois de um período de pouca produção retorna ao Brasil e reencontra, em 2014, um amigo e parceiro bissexto, Zéjorge, autor de várias e belas músicas em parceria com Ruy Maurity. Foi uma enxurrada de novas composições em estilos mais diversos da nossa MPB. Resolve gravar em 2017 Cantoria de Bazar, um novo álbum só com músicas dessa parceria revigorada.Com direção musical e belos arranjos do Maestro Leandro Braga, o CD passa a estar disponível na internet em fins de setembro de 2017.